P.I.S.T.A. #15

Sobre as necessidades da Criança Interna Costumo imaginar que há vários Eus dentro de mim. O Eu Criança, a minha criança interna, detêm as minhas emoções imaturas. Não raramente ela aparece. Hoje mesmo deu as caras. A minha criança traz as necessidades elaboradas na infância não atendidas e crenças muito enraizadas. Necessidades que naquele tempoContinuar lendo “P.I.S.T.A. #15”

Poeminhas ligeiros – “O BARBEIRO DE PLANTAS” #18

SATCITANANDA, EU SOU A PAZ Satcitananda. Eu sou a paz. Eu sou a resposta para todas as minhas perguntas. Satcitananda. Eu sou a alegria. A consciência do Eterno mora em mim. Eu sou a arte da vida. Matéria das estrelas. Satcitananda. Eu sou a luz que irradia amor. O néctar que move todas as coisas.Continuar lendo “Poeminhas ligeiros – “O BARBEIRO DE PLANTAS” #18″

Poeminhas ligeiros – “O BARBEIRO DE PLANTAS” #17

SANKALPA, INTENÇÃO Sankalpa. As minhas intenções tem um grande poder. O poder de organização. No meio do caos. Nas infinitas possibilidades. Quanto de energia Para reduzir a entropia? Organizar pensamentos? Gerar a vida. Dar sentido a utopia. Quanto de energia Para dar a uma intenção? Para tirar do caos a possibilidade? E dar luz aContinuar lendo “Poeminhas ligeiros – “O BARBEIRO DE PLANTAS” #17″

Poeminhas ligeiros – “O BARBEIRO DE PLANTAS” #16

TAT TVAM ASI, TU ÉS ISTO Tat Tvam Asi. Tu és isto. A consciência em um veículo. Entre milhões de sinapses, dentro da fenda escura. Tu és isto. Milhões de pensamentos que tomaram um corpo físico, em um finito trecho no Tempo, no Universo infinito. Dentro da brecha bioelétrica, entre fenômenos biomagnéticos… Tu és isto.Continuar lendo “Poeminhas ligeiros – “O BARBEIRO DE PLANTAS” #16″

P.I.S.T.A. #13

LEGADO Certa vez Rubem Alves escreveu: “Vou plantar uma árvore. Será o meu gesto de esperança. Mas o mais importante de tudo: ela terá que crescer devagar. Tão devagar que à sua sombra eu nunca me assentarei. O primeiro a plantar uma árvore à cuja sombra nunca se assentaria foi o primeiro a pronunciar oContinuar lendo “P.I.S.T.A. #13”

P.I.S.T.A. #12

(Des) Aprendizagem sustentada Olá caro leitor e cara leitora do outro lado da telinha! Hoje tem Prosa Inventiva (pra) Sortá (os) Trem Acumulado. Viaje nesta pista comigo! A grande arte de ser feliz é aprender a desaprender. Rubem Alves quem me disse. É esvaziar o balde para poder reciclar as coisas. Balde cheio não (re)Continuar lendo “P.I.S.T.A. #12”

P.I.S.T.A. #10

Crédito da imagem: retirado do site fraseado.com.br – Instagram @fraseado.oficial Herança de Chorão Olá caro leitor e cara leitora do outro lado da telinha! Hoje tem Prosa Inventiva (pra) Sortá (os) Trem Acumulado. Viaje nesta pista comigo! Cresci ouvindo as músicas de muitas bandas de rock. Como todo adolescente que se preze, tive a faseContinuar lendo “P.I.S.T.A. #10”

P.I.S.T.A. #09

 “Eu estou com medo!” – Preciso falar sobre a cena da praia de Rocky III Olá caro leitor do outro lado da telinha! Hoje tem Prosa Inventiva (pra) Sortá (os) Trem Acumulado.  Você sabe de onde tirei esse trem de P.I.S.T.A.? Nããão? Quer saber? Eu explico no primeiro post desta categoria. Dá uma olhadinha lá!Continuar lendo “P.I.S.T.A. #09”