Reflexões: xilema, floema, poema

P.I.S.T.A. #27 Vi uma árvore em seu inverno. Viajei em uma ideia. A ideia da dualidade integrada da árvore. Raízes profundas escondidas no escuro e embaixo da terra, invisível. Galhos da copa que florescem na estação certa, mostrando vitalidade no visível. São opostos que se integram, o formato deles são parecidos. Em análise mais profunda,Continuar lendo “Reflexões: xilema, floema, poema”

OLHE PARA CIMA (de vez em quando)

P.I.S.T.A. #24 No fundo, lá no fundo, eu tenho uma ideia de que as coisas que passamos servem para nos ajudar a SER mais humano. Viemos para cá para isso, não é mesmo? Não foi para ser quartzo rosa, uma samambaia, uma flor de laranjeira ou um cachorro (que por vezes acho que são melhoresContinuar lendo “OLHE PARA CIMA (de vez em quando)”