Apelo abstrato de prisioneiro em liberdade ilusória

O Barbeiro de Plantas #46 Gaiola da menteCom grades de açoNada escapoleNão dou um passoExcesso de memória (condicionada?)Sufoca a liberdade (esta negada).A Massa está pronta,Sovada, homogênea, assada.Na boca, desmancha a individualidade.Sinais da atualidade (distópica?)Desaprendi crençasDesaprendi templosNatureza é casaImortal visível.Na diversidade mora a imortalidade.No passo distante Pensamento erranteLivre Respiro, suspiro, alívio.

P.I.S.T.A. # 18

LIBERDADE (AINDA QUE TARDE) Hoje eu li uma frase de Fabrício Carpinejar que me chamou muito a atenção. Eis aqui o que ele escreveu: “Desperdício é nascer diferente e passar a vida inteira tentando ser igual aos outros.” Na hora, eu me lembrei de uma frase atribuída a Carl Jung: “Nascemos originais e terminamos cópias.”Continuar lendo “P.I.S.T.A. # 18”